SUCEN - Superintendência de Controle de Endemias

A A A Tamanho do texto

Situação Atual

Em relação ao vetor, a presença do mesmo foi assinalada em 196 municípios paulistas, sendo 151 destes com transmissão, de modo que Lutzomyia longipalpis (Lu.longipalpis) encontra-se em todos os 93 municípios com transmissão canina e humana, em dois, dos cinco municípios com transmissão humana e em 49, dos 53 municípios com transmissão canina. A circulação de Leishmania infantum, portanto, ainda não foi constatada em 52 municípios que são classificados como Silenciosos Receptivos Vulneráveis aqueles com presença do vetor e sem notificação de casos humanos e/ou caninos autóctones.

Municípios que configuram maior probabilidade de circulação de fontes de infecção e sem o vetor são classificados como Silenciosos Não Receptivos Vulneráveis, sendo que para estes é preconizada a atividade de Levantamento Entomológico, realizada pelos Serviços Regionais da Sucen, que tem como objetivo detectar a espécie do vetor, expressando indicador de receptividade à transmissão da LV e apontando às Secretarias Municipais de Saúde a importância de incrementar as ações preventivas e de controle. Atualmente, 275 municípios estão classificados neste agrupamento.

Completando a classificação dos municípios do ESP, chegamos àqueles com a situação epidemiológica mais confortável, classificados como Silenciosos Não Receptivos Não Vulneráveis, sendo atualmente 158 como tal. Em 2018, outros 5 novos municípios: Araraquara, Balsamo, Cardoso, Queiroz e Rosana foram detectados Lu longipalpis totalizando 201 municípios neste ano.

 

Figura 1 - Distribuição de municípios segundo a classificação epidemiológica para Leishmaniose visceral em dezembro de 2017, Estado de São Paulo.

 

Comunicar Erro




Enviar por E-mail






Colabore


Obrigado