brasão governo do estado de são paulo

Em atendimento à legislação eleitoral (Lei nº 9.504/1997), os demais conteúdos desse site ficarão indisponíveis de 5 de julho de 2018 até o final da eleição estadual em São Paulo.

A A A Tamanho do texto

Mais caro, feijão pode ser substituído por outros alimentos nutritivos

Dica é do Programa ‘Meu Prato Saudável'

O programa Meu Prato Saudável, parceria do Instituto do Coração (InCor) e do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP com a LatinMed Editora em Saúde, orienta as pessoas que gostam de comer feijão mas estão preocupadas com a alta nos preços desta importante leguminosa desde o início do ano.

Prato típico do brasileiro, o feijão está presente em receitas diferentes como a feijoada, baião-de-dois, cassoulet e sopas, além do tradicional arroz com feijão, bife e salada. Em pratos mais elaborados ou simplesmente junto com o arroz, o feijão oferece proteínas, ferro e fibras.

Neste período em que o preço do feijão está mais alto devido à oferta diminuída, é possível substituí-lo por outras leguminosas nutritivas. Lentilha, vagem, ervilha, soja e grão-de-bico são opções para variar o cardápio sem perder nutrientes como proteínas, ferro, cálcio, magnésio, zinco, vitaminas (principalmente do complexo B), carboidratos e fibras.

"O ideal é consumir uma concha diariamente. E é possível preparar essas leguminosas da mesma forma como é feito o feijão", afirma a médica Elisabete Almeida, diretora-executiva do "Meu Prato Saudável".

Os benefícios, segundo ela, são a diminuição do risco de doenças cardiovasculares, obesidade, diabetes e colesterol. Em razão da presença do ferro, o consumo de leguminosas ainda pode ajudar na prevenção e tratamento da anemia.

"Além disso, as leguminosas têm antioxidantes, que previnem diversas doenças como o câncer e retardam o envelhecimento", conclui.
Publicado por Assessoria de Imprensa em