brasão governo do estado de são paulo

Em atendimento à legislação eleitoral (Lei nº 9.504/1997), os demais conteúdos desse site ficarão indisponíveis de 5 de julho de 2018 até o final da eleição estadual em São Paulo.

Conheça o Núcleo de Programas Especiais (NPE) - Centro de Referência da Saúde da Mulher

 

Núcleo de Programas Especiais (NPE) do Centro de Referência da Saúde da Mulher (CRSM) - Hospital Pérola Byington

 

Em 1994, o Centro de Referência da Saúde da Mulher (CRSM) ¿ Hospital Pérola Byington, da Secretaria de Estado da Saúde, Governo do Estado de São Paulo, implanta novo conceito de atenção integral para pessoas em situação de violência sexual, conhecido hoje como Núcleo de Programas Especiais (NPE).

 

Os objetivos do NPE são oferecer atendimento imediato e acompanhamento para mulheres adultas, crianças e adolescentes que tenham passado por qualquer forma de violência sexual. A equipe é composta por assistentes sociais, auxiliares administrativos, enfermeiros, ginecologistas, pediatras, psicólogos e técnicos de enfermagem para desenvolver ações específicas aos pacientes, com ênfase no acolhimento e humanização do atendimento, não apenas para casos de emergência, mas também para casos de violência crônica, oferecendo medidas eficientes de prevenção aos danos e agravos para saúde física e mental.

 

O Pronto Atendimento (PA) fornece contracepção de emergência para mulheres em idade reprodutiva até cinco dias após contato sexual não consentido. Oferece ainda, nessas situações, a profilaxia para infecção pelo vírus HIV e doenças sexualmente transmissíveis, como clamídia, cancro mole, gonorreia e sífilis.

Em 2001, foi criado o Programa Bem-Me-Quer, parceria entre Secretaria de Saúde e Secretaria da Segurança Pública, incluindo no hospital uma unidade do Instituto Médico Legal (IML) para exames de Sexologia Forense. O Programa oferece transporte das vítimas no trajeto da delegacia de polícia para o hospital.

 

O NPE também fornece atendimento aos casos de interrupção da gravidez decorrente de violência sexual, cumprindo o Decreto-Lei 2848, inciso II, do artigo 128 do Código Penal brasileiro, que dá alternativas à mulher com gravidez decorrente de estupro. Para a realização deste tipo de atendimento não é necessário alvará judicial, boletim de ocorrência policial ou laudo do IML.

 

Para maiores informações acesse link com o vídeo sobre esse trabalho:

 

https://www.youtube.com/watch?v=fd597SgYnAY&feature=youtu.be