Coordenadoria de Controle de Doenças

A A A Tamanho do texto

Vigilância e controle da febre amarela no estado de São Paulo


Febre Amarela: Vigilância, Prevenção e Controle no Estado de São Paulo

 

A febre amarela é uma doença infecciosa transmitida por meio da picada de mosquitos infectados, podendo afetar humanos e animais, como primatas. Há duas formas distintas: silvestre e urbana, sendo a última a mais grave em aspectos clínicos e de disseminação.

Os principais sintomas são febre, calafrios, dor de cabeça, dores no corpo, fadiga, náuseas e vômitos. As manifestações clínicas incluem insuficiência hepática e renal, podendo evoluir para óbito.

Trata-se de uma doença de notificação compulsória e imediata , tanto para caso silvestre quanto urbano, por meio do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan). Desde 1942, não há registro de transmissão urbana no Brasil.

 

 

Informações sobre a FA no Brasil

A Febre amarela (FA) é uma doença infecciosa febril aguda, imunoprevenível, cujo agente etiológico é transmitido por vetores artrópodes. O vírus da febre amarela é um arbovírus do gênero Flavivirus, da família Flaviviridae. O vírus é transmitido pela picada dos mosquitos transmissores infectados e não há transmissão direta de pessoa a pessoa. A vacina é a principal ferramenta de prevenção e controle da doença.

O vírus da FA apresenta dois ciclos epidemiológicos de transmissão distintos, silvestre e urbano. No ciclo silvestre da febre amarela, os primatas não humanos (macacos) são os principais hospedeiros e amplificadores do vírus, e os vetores são mosquitos com hábitos estritamente silvestres, sendo os gêneros Haemagogus e Sabethes os mais importantes na América Latina. Nesse ciclo, o homem participa como um hospedeiro acidental ao adentrar áreas de mata. No ciclo urbano, o homem é o único hospedeiro com importância epidemiológica e a transmissão ocorre a partir de vetores urbanos (Aedes aegypti) infectados.

Atualmente no Brasil não há registro da transmisão urbana da doença, por meio do Aedes aegypti. Porém, o risco da introdução dessa forma de transmissão faz com as medidas para a eliminação do mosquito sejam de grande importância por prevenir além da FA urbana, a dengue, a febre chikungunya e a doença por Zika vírus.

(fonte:SVS/MS)

 

 

Alerta aos viajantes

 

Antes de viajar é importante se informar sobre a necessidade de tomar a vacina contra afebre amarela, com dez dias de antecedência. A vacina é recomendada para vários destinos internacionais, nacionais e mesmo no Estado de São Paulo.

 

 

 

 

 

Informações do Ministério da Saúde

 

 

Informações do Município de São Paulo

 

 


 

Documentos e orientações técnicas norteadoras para as ações

 

 

Nota Técnica do Centro de Vigilância Epidemiológica - fev/2017

 

 

Orientação para o Trabalho de Campo para Insvestigação de PNH

 

 

webconferência sobre Coleta de Amostras para Diagnóstido de FA

 

 

 

 

 

Conheça a recomendação para quem for viajar dentro do Estado de São Paulo

 

 

Conheça a recomendação do Ministério da Saúde para viagens nacionais e internacioais

 

Conheça a recomendação do Ministério da Saúde para os viajantes

 

 

Material de comunicação

Comunicar Erro




Enviar por E-mail






Colabore


Obrigado