Coordenadoria de Controle de Doenças

A A A Tamanho do texto

Práticas de prevenção, monitoramento e o estudo dos corredores ecológicos . Veja as apresentações do Simpósio estadual sobre febre amarela

Práticas de prevenção, monitoramento e o estudo dos corredores ecológicos foram pauta do encontro

Diversas autoridades da saúde e mais de mil participantes se reuniram nesta segunda-feira dia 5, (05), para discutir ações de combate à doença. Além do secretário David Uip, estiveram presentes no evento o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde/ SVS/M, Adeilson Loureiro Cavalcante, o presidente do Cosems (Conselho dos Secretários Municipais de Saúde), Cármino Antonio de Souza e o secretário municipal de Saúde de São Paulo, Wilson Pollara.

Um dos responsáveis pelo Simpósio, o coordenador de Controle de Doenças da Secretaria de Saúde de São Paulo, o infectologista Marcos Boulos, falou sobre o encontro: “Objetivo é esclarecer a todos o que é a febre amarela, qual é importância e a necessidade da vacinação, e os caminhos que as políticas públicas vêm seguindo para continuarem protegendo toda população contra a transmissão da doença”.

O trabalho alinhado entre pesquisa científica e tecnológica e o trabalho de campo em toda as esferas das políticas públicas, foram muito enaltecidas pelo secretário de Estado da Saúde, David Uip,“foi muito importante o trabalho realizado pelos nossos pesquisadores no cerco contra o mosquito, na identificação dos macacos mortos, nas biópsias e autópsias feitas nos primatas e na criação dos corredores ecológicos”.

Os corredores ecológicos, estudo desenvolvido pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, que conseguiu mapear o caminho do vírus e priorizar a imunização para as pessoas em áreas de risco. “Através da pesquisa, foi possível identificar o caminho do avanço do vírus pelas cidades paulistas, o tempo que ele se move de um município para outro, e priorizar as áreas de vacinação daquela população”, explicou a diretora de imunização da Secretaria de Estado da Saúde, Dra. Helena Sato.

Ações integradas

O presidente do Cosems (Conselho dos Secretários Municipais de Saúde), Cármino Antonio de Souza falou sobre a importância de discutir o tema tanto nas esferas federal, estadual e municipal. “Os municípios têm papel fundamental nessa luta, pois são os grandes efetivos no combate às doenças, mobilizando o contingente de logística de pessoas e materiais. O Cosems está disposto ajudar sempre que preciso, e é um parceiro que pode ser muito usado nessa luta”, concluiu.

No final do evento, os convidados puderam abrir suas perguntas para os palestrantes sobre o tema.

(colaboração Ascom/SES-SP)

 

 

Apresentações:

 

 

A febre amarela no Brasil e no mundo - Marcos Boulos, CCD/SES-SP

 

 

Mapeamento da febre amarela silvestre e as ações desenvolvidas pelo governo do estado de São Paulo - Regiane de Paula, CVE/CCD/SES-SP

 

 

O papel do diagnóstico da febre amarela nas ações de vigilância - Adeilson Loureiro Cavalcante, SVS/MS

 

 

O papel do Centro de Virologia do Instituto Adolfo Lutz - Renato de Souza, IAL/CCD/SES-SP

 

 

Monitoramento dos corredores ecológicos - Adriano Pinter, Sucen/SES-SP

 

 

Vigilância entomológica - Dalton Fonseca Jr., Sucen/SES-SP

 

 

O papel da assistência - Ralcyon Teixeira, IIER/SES-SP

 

 

O papel da assistência nos casos de febre amarela - Hospital das Clínicas da FM/USP - Luiz Augusto Carneiro D'Albuquerque, HC/FM/USP-SP

 

 

A experiência do Hospital das Clínicas - Ho Yeh Li, HC/FM-USP

 

 

Estratégia de vacinação - Helena Sato, CVE/CCD/SES-SP

 

 

Eventos adversos da vacina - Eder Gatti, CVE/CCD/SES-SP

 

 

 

 

 

 

Perguntas e respostas sobre a febre amarela

 

Comunicar Erro




Enviar por E-mail






Colabore


Obrigado