Coordenadoria de Controle de Doenças

A A A Tamanho do texto

NOVO! Ministério da Saúde lança nova campanha de mídia "#Mosquito Não"

 

 

Material de comunicação da campanha 2017 para download aqui

 

 


 

 

 

Prédios Públicos terão Brigadas Contra o Aedes.

 

 

Orientações para as ações aqui

 

 

 

Ministério da Saúde disponibiliza material da nova campanha de comunicação contra o aedes "Mosquito Não!"

 

Acesse o material da campanha aqui


 

Videoaulas

 

As áreas técnicas da Secretaria de Estado da Saúde produziram videoaulas com informações importantes sobre o combate ao aedes e sinais e sintomas da dengue.

 

Acesse aqui e assista às videoaulas

 

 

SÃO PAULO CONTRA AS ARBOVIROSES: MATERIAL DE COMUNICAÇÃO E AÇÕES IMPLEMENTADAS

 

 

 

 

 

 

 

 


 

MICROCEFALIA RELACIONADA À INFECÇÃO PELO VÍRUS ZIKA

INFORME TÉCNICO 1 (14/12/2015)

 

Documento elaborado pelo Centro de Vigilância Epidemiológica e Instituto Adolfo Lutz

 

Acesse o documento aqui

 

 

 


 

Nota Técnica CIB - dezembro de 2016: Orientações para vigilância em saúde das arboviroses urbanas no estado de São Paulo

 

Anexo 1 - Nota Técnica CIB

 

 

INTENSIFICAÇÃO DAS AÇÕES DE CONTROLE DE VETORES DA DENGUE NO ESTADO DE SÃO PAULO PARA O SEGUNDO SEMESTRE DE 2015

 

Plano de Intensificação do Controle do Vetor -  Sucen

 

 

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A DENGUE NO ESTADO DE SÃO PAULO - 2015/2016

 

Plano de Contingência para a Dengue no ESP - 2015/2016

 

 

 

Vigilância permanente para a dengue

 

Estratégias para o controle da dengue são definidas entre estado e municípios

"Todos Juntos Contra a Dengue"

 

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) insitutiu o Grupo Bipartite da Dengue formado por técnicos da pasta e representantes do Conselho de Secretário Municipais de Saúde do Estado de São Paulo (Cosems-SP). O objetivo do grupo é traçar estratégias conjuntas para o enfrentamento da doença  envolvendo o controle do vetor, a vigilância epidemiológica e laboratorial e a organização da assistência.

A análise depidemiológica da dengue tem demonstrado que o vetor e a circulação viral permanecem ativos também durante o inverno, mesmo com menor intensidade.

Com esse cenário, fica o alerta aos gestores, profissionais da saúde e população: o combate ao vetor e a vigilância aos casos da doença devem ser permanentes nos 365 dias do ano. Somente dessa forma poderá ocorrer o controle da dengue no estado de São Paulo e mortes serão evitadas.

 

Dengue: diagnóstico clínico precoce pode ser a diferença entre a vida e a morte do paciente

 

A doença por dengue apresenta desde quadros leves, com sintomas semelhantes aos de diversas viroses, até quadros graves que evoluem para óbito. Em momentos de endemia e epidemia, como o que estamos vivendo em diversos municípios do estado de São Paulo, bem como de outros estados da União, a assistência médica deve estar alerta para o diagnóstico clínico. O tratamento oportuno pode ser a diferença entre a vida e a morte do paciente. E os recursos necessários são os mais básicos possíveis: simplesmente manter o paciente hidratado é um deles.

Na forma clássica, os sintomas mais frequentes são a febre abrupta e geralmente alta (39°C a 40°C), associada a cefaleia, mialgias, artralgias e dor retro-orbital. Anorexia, náuseas, vômitos e diarreias também podem estar presentes em cerca de 50% dos casos.

Sinais de alarme podem aparecer entre o terceiro e o sétimo dia do início dos sintomas, e constituem em: vômitos importantes e frequentes, dor abdominal intensa e contínua, hepatomegalia dolorosa, desconforto respiratório, sonolência ou irritabilidade excessiva, hipotermia, sangramento de mucosas, diminuição da sudorese e derrames cavitários (pleural, pericárdico, ascite). Esses sinais indicam choque. Intervenções nessa fase são de extrema importância e melhoram o prognóstico.

Dessa forma, é sempre oportuno alertar aos profissionais médicos de unidades básicas e, em especial, aos que atuam nas unidades de pronto atendimento, para que estejam atentos ao cenário epidemiológico do seu município em relação à dengue. Em tempos de grande progressão de casos, sinais clássicos de viroses podem ser da dengue.

 


 

 

Dengue em Dados - 2015 (Fonte: Centro de Vigilância Epidemiológica - CVE)

 

Dados informados pelas Secretarias Municipais de Saúde no Sistema de Informação - (SINAN Dengue)  - Acesse aqui

 

 

Videoconferência "Momento Epidêmico da Dengue" (10/02/2015)

 

Apresentação: Benedicto Accacio (Coordenador de Regiões de Saúde - CRS/SES-SP);

Marcos Boulos (Coordenador de Controle de Doenças - CCD/SES-SP)

 

Bloco 1

http://media.escolasdegoverno.sp.gov.br/fundap/Saude/vc_dengue_100215_Bl01.wmv

 

Bloco 2

http://media.escolasdegoverno.sp.gov.br/fundap/Saude/vc_dengue_100215_Bl02.wmv

 

 

 

Videoconferência Organização da assistência no enfrentamento da dengue

 

 

Bloco 1

http://media.escolasdegoverno.sp.gov.br/fundap/Saude/vc_dengue_100315_Bl01.wmv

 

Bloco 2

http://media.escolasdegoverno.sp.gov.br/fundap/Saude/vc_dengue_100315_Bl02.wmv

 

 

Aula: Organização da Assistência ao Paciente com Dengue

 


 

 

Material de Apoio

 

 

 

NOVO! Anexo 1 - Vigilância Laboratorial das Arboviroses Urbanas (Deliberação CIB 59/2016)

 

 

Plano de Contingência para a Dengue no Estado de São Paulo - 2015/2016

 

 

Guia Prático Manejo Clínico de Paciente com Suspeita de Dengue

 

Guia Prático Manejo Clínico de Paciente com Suspita de Dengue - versão livreto, para impressão

 

Treinamento rápido para médicos

 

Como fazer a Prova do Laço

 

Treinamento rápido para enfermagem

 

Cartilha do Gestor

 

Fluxograma

 

Plano Estadual da Dengue 2014-2015

 

 

Orientações para Comunicação de Risco (Opas/OMS)

 

 


 

 

Material de Comunicação

 

Alerta aos profissionais da Saúde e Educação

 

Alerta para a População

 

Alerta aos Gestores

 

Alerta aos profissionais da Saúde

 

Alerta para as Vigilâncias e Controle Vetorial

 

Cartaz - arte 1

 

Cartaz - arte 2

 

Folder

 


 

Novos e velhos desafios: o estado de São Paulo prepara ações para o enfrentamento da dengue e chikungunya

 

A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo realizou o Encontro "Novos e velhos desafios: o estado de São Paulo prepara ações para o enfrentamento da dengue e chikungunya", no dia 12 de novembro para os gestores municipais de saúde.

Este evento teve como objetivo atualizar os gestores quanto à situação epidemiológica da dengue, pensando no cenário para o final de 2014 e 2015, e fazer o alerta para a introdução do vírus chikungunya, que também tem o aedes aegypti como vetor.

Apesar de algumas diferenças clínicas do chikungunya em relação à dengue, as estratégias de controle do vetor, de vigilância e organização da assistência são as mesmas para as duas doenças. Mesmo assim, é necessário estreitar ainda mais a articulação entre estado e municípios, pactuando as ações que serão importantes para a proteção da população paulista.

Durante o evento foi lançada a Semana Estadual de Mobilização Contra a Dengue, prevista para acontecer entre os dias 17 e 23 de novembro. Trata-se de um grande movimento envolvendo os diversos parceiros estaduais e municipais, do poder público e sociedade civil organizada, com o objetivo de unir esforços principalmente em relação à eliminação de criadouros do aedes aegypti.

 

Apresentações do evento

 

Dengue e Chikungunya no Brasil (Giovanini Coelho, coordenador do Programa Nacional de Combate à Dengue MS)

 

Velhos e Novos Desafios da Dengue e Chikungunya no ESP (Marcos Boulos, coordenador de controle de doenças CCD/SES-SP)

 

ESP prepara ações para o enfrentamento da Dengue e Chikungunya  (Dalton Fonseca Jr. (superintendente de controle de endemias SUCEN/SES-SP)

 

Situação da infestação larvária pelo Aedes aegypti no ESP

 

Lançamento da Semana Estadual de Mobilização Contra a Dengue

 


Outras fontes de informação:

 

Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE/CCD/SES-SP)

www.cve.saude.sp.gov.br

Superintendência de Controle de Endemias (Sucen/SES-SP)

www.sucen.sp.gov.br

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comunicar Erro




Enviar por E-mail






Colabore


Obrigado