Centro de Referência e Treinamento DST/AIDS-SP

A A A Tamanho do texto

INFORMAÇÕES SOBRE PrEP

PrEP é a Profilaxia Pré-Exposição ao HIV. Significa tomar medicamento anti-HIV de forma programada para evitar uma infecção pelo HIV caso ocorra uma exposição.

 

 

 

O que é PrEP?

 

PrEP é a Profilaxia Pré-Exposição ao HIV. 

Significa tomar medicamento anti-HIV de forma programada para evitar uma infecção pelo HIV caso ocorra uma exposição. Atualmente, só há um produto aprovado para PrEP, que é um medicamento 2 em 1 (tenofovir + entricitabina). A palavra profilaxia: significa prevenir ou controlar a disseminação de uma infecção ou doença. 

 

Tem PrEP no Brasil?

 

A PrEP é usada nos Estados Unidos há 5 anos e recentemente tem sido adotada por outros países no mundo. O Ministério da Saúde anunciou no dia 24 de maio que a PrEP foi aprovada para ser distribuída no Sistema Único de Saúde (SUS) a partir do final do ano. A distribuição começará de forma gradual.

Seguiremos informando sobre como será essa implementação.

Atualmente, a PrEP já existe no Brasil em pesquisas que estão avaliando como será oferecer essa nova ferramenta no SUS. Há uma pesquisa em curso, o Projeto Combina, que ainda está recrutando voluntários no Centro de Referência e Treinamento em DST/Aids, na Vila Mariana.

 

PrEP: devo usar?

 

Para cada pessoa há uma maneira de viver a sexualidade, de transar e uma estratégia segura para não adquirir HIV.

Algumas pessoas preferem utilizar o preservativo, outras não penetram e não deixam penetrar no ânus ou na vagina. Há aqueles que fazem o teste anti-HIV a cada seis meses e combinam com seus parceiros estáveis como se prevenir com outras pessoas.

Entre os diversos métodos disponíveis, o mais recente é a profilaxia pré-exposição sexual, a chamada PrEP, que consiste no uso diário de uma pílula para evitar o HIV.

Esse texto fornece as informações mais importantes sobre esse novo método e ajudará a refletir se a PrEP é a melhor forma para você não se infectar pelo HIV nas relações sexuais.

Se quiser fazer comentários, relatar experiências ou trocar expectativas e dúvidas, participe do Conversaria Sem Tabu no Facebook.

 

Como funciona?

 

A medicação usada para PrEP é uma combinação de 2 drogas (tenofovir e entricitabina). Originalmente, elas foram usadas para o tratamento de pessoas com HIV. Com o tempo, diversos estudos mostraram que essa medicação poderia proteger pessoas que não tinham o HIV, evitando que elas se infectassem. Essa proteção já havia sido observada quando os medicamentos de tratamento da aids eram usados em gestantes infectadas para evitar a transmissão do vírus para o bebê.

Assim, os medicamentos de PrEP funcionam bloqueando alguns ¿caminhos¿ que o HIV usa para infectar seu organismo. Se você tomar PrEP diariamente, a medicação pode impedir que o HIV se estabeleça e se espalhe em seu corpo. Se você não tomar os comprimidos todos os dias, pode não haver concentração suficiente do medicamento em sua corrente sanguínea para bloquear o vírus.

 

Quem pode usar?

 

PrEP não é para todos. Os médicos prescrevem PrEP para pessoas que tenham uma maior chance de entrar em contato com o HIV. Isso pode ocorrer com pessoas que não usam preservativos em todas as relações sexuais, principalmente anais e vaginais, e sobretudo se com parceiros ocasionais. O não uso de preservativo, ainda que ocasional, representa um risco diferente para grupos diferentes. Para alguns grupos mais vulneráveis, o risco de uma relação sem preservativo é maior, como é o caso de homens gays e bissexuais (cis ou trans), mulheres trans e travestis, ou profissionais do sexo.  pode representar um risco maior em pessoas de populações que estão mais vulneráveis ao HIV. Portanto, você deve considerar usar PrEP se você ou o seu parceiro está nesses grupos, e se você eventualmente tem relações sexuais sem preservativo, sobretudo com parcerias ocasionais.Você também deve pensar em usar PrEP se faz algum uso compartilhado de seringa/ material cortante, se teve uma infecção sexualmente transmissível recentemente ou se utilizou diversas vezes a PEP de urgência no último ano.

 

Por que usar?

 

Há diversos motivos para usar a PrEP. É um método efetivo para prevenir contra o HIV e pode ser muito útil para pessoas que estão em maior risco de se infectar por manterem relações sexuais com parceiros ocasionais sem preservativo, não conseguirem ou não desejarem usar sempre outros métodos preventivos. No Brasil, cerca de 40.000 pessoas são infectadas pelo HIV a cada ano e a epidemia de HIV tem afetado desproporcionalmente alguns grupos de pessoas, como homens gays e bissexuais, mulheres trans e travestis e profissionais do sexo.

Assim, a PrEP pode ser uma ótima opção de prevenção para aqueles que estão mais expostos ao HIV e que, por um motivo ou outro, não têm usado algum método preventivo em todas as suas relações sexuais.

 

Já foi testada?

 

  • Sim, diversos estudos mostraram que a PrEP reduz o risco de contrair o HIV. PrEP foi testada em vários estudos homens héteros, bis e gays, mulheres cis héteros, e mulheres trans e travestis. Todas as pessoas nestes estudos: (1) fizeram teste de HIV no início da pesquisa para ter certeza de que não estavam infectados pelo HIV; (2) concordaram em tomar um comprimido de PrEP diariamente; (3) receberam orientações sobre sexo seguro; (4) foram testados regularmente para infecções sexualmente transmissíveis (IST) e (5) receberam preservativos regularmente.A redução do risco usando a PrEP depende diretamente da adesão ao medicamento. De uma forma geral, os homens gays e bissexuais que receberam PrEP tiveram, em média, 44% menos chances de adquirir a infecção pelo HIV. Porém, entre os homens que disseram ter tomado a maioria dos medicamentos diariamente, a PrEP reduziu o risco de infecção pelo HIV em 73%. Entre os que fizeram exames para certificar se tinham de fato tomado o medicamento, a redução do risco foi maior de 90%.
  • Entre os casais de homens e mulheres, em que um parceiro tinha infecção pelo HIV e o outro não (casais sorodiferentes), aqueles que receberam PrEP tiveram 75% menos chance de serem infectados. Entre aqueles que disseram ter tomado a maioria dos comprimidos diariamente, a PrEP reduziu o risco de infecção pelo HIV em até 90%.
  •  

Quando ela começa a fazer efeito?

 

Se você faz sexo anal, a PrEP leva 07 (sete) dias para lhe proteger do HIV. Por isso, espere esse tempo para alcançar a proteção ideal do medicamento nessa região do corpo.

No tecido vaginal o medicamento demora mais para alcançar a concentração ideal de proteção. Por isso, se estiver começando a tomar PrEP hoje, espere 21 dias para contar com a PrEP para relações vaginais.

 

Como é o acompanhamento?

 

Se você achar que tem um alto risco para adquirir o HIV, você vai falar com um profissional de saúde sobre PrEP. Se você e o profissional concordarem que a PrEP pode lhe ajudar a se prevenir, será necessário fazer o teste de HIV, exames de infecções sexualmente transmissíveis (IST) e checar se seus rins e fígado estão funcionando bem, por meio de exames laboratoriais. Se estes exames estiverem em boas condições, você poderá usar PrEP.

Usar PrEP vai demandar que você faça visitas regulares ao serviço de saúde, realize exames de acompanhamento para ver os efeitos da PrEP no seu organismo e busque sua medicação a cada três meses. Você deve tomar o medicamento todos os dias como prescrito e os profissionais de saúde irão orientá-lo sobre a melhor maneira de lembrar de tomá-lo regularmente. Informe-os se você tiver problemas para lembrar de tomar o medicamento ou se você quiser parar de usar PrEP.

 

Posso parar de usar preservativo?

 

Se for tomada diariamente, a PrEP é muito segura para proteger da infecção pelo HIV. Mas ela não protege das outras infecções sexualmente transmissíveis mais comuns, tais como sífilis, clamídia, gonorreia, hepatites e da infecção por HPV. Você poderá ter uma maior proteção contra o HIV e outras infecções sexuais se tomar PrEP diariamente e usar preservativos durante as relações sexuais.

Se você não utilizar camisinha em alguma das suas relações é importante que observe o surgimento de qualquer sintoma ou sinal que indique uma possível infecção sexualmente transmissível, como um corrimento, verrugas, feridas ou ardência no pênis, vagina, ânus ou na boca. Se notar algo diferente, é melhor ir ao médico o mais rápido possível para evitar que uma possível doença se agrave e que você transmita a doença para alguma parceria sexual.

 

Tem que tomar para sempre?

 

Não, há vários motivos que fazem as pessoas pararem de tomar a PrEP. O principal é se o risco de se infectar pelo HIV diminuir por causa das mudanças que ocorrem em sua vida e você achar que não tem mais sentido tomar PrEP. Além disso, você pode não querer mais tomar um comprimido todos os dias e achar que há outros métodos de prevenção que funcionem melhor para a sua realidade. É possível que você tenha efeitos colaterais da medicação que atrapalhem seu dia-a-dia e/ou que persistam após os meses inicias de uso.

Independentemente do motivo para deixar de tomar a PrEP, é importante que você converse com o profissional de saúde que te acompanha antes de tomar essa decisão.

 

É uma vacina?

 

Não, quando você toma uma vacina o seu organismo é estimulado a desenvolver uma proteção que evita adquirir a doença. Quando você toma uma vacina, ela pode te proteger por muito tempo ou mesmo a vida inteira.

A PrEP funciona de forma diferente. A proteção é dada pelo medicamento que você toma diariamente. É ele que bloqueia caminhos que o vírus percorre para infectar uma pessoa. Assim, se você deixa de tomar todos os dias o medicamento deixa de funcionar e te proteger contra o HIV.

 

É segura? Tem efeito colateral?

 

A frequência de efeitos colaterais da PrEP é baixa. A maior parte deles ocorre na fase inicial de uso e tendem a desaparecer nos primeiros meses. Os efeitos colaterais mais frequentes nos estudos de PrEP foram dor de cabeça, dor de estômago, perda de apetite, náuseas, flatulência, vômitos, tonturas, fadiga, dor nas costas e aumento leve de transaminases (enzimas presentes no fígado). Não foram observados outros efeitos adversos graves. Se você iniciar PrEP, deve informar seu médico se sentir esses ou outros sintomas de forma grave ou não se eles não passarem.

Houve casos raros em que a PrEP levou a uma perda progressiva da função renal. Nessas situações, o uso do medicamento foi suspenso para que esse efeito desaparecesse e as funções renais voltassem ao estado normal. Por isso, para prevenir efeitos renais mais graves, os usuários de PrEP devem realizar um exame de urina periodicamente.

Texto adaptado a partir do site do Projeto Combina

Comunicar Erro




Enviar por E-mail






Colabore


Obrigado